ABOUT US

The Free Association is a non-profit organization moved by the desire to learn. We create innovative opportunities of continuous learning in the field of psychodynamic psychotherapy and psychoanalysis.

LOCALIZATION

We are based in the beautiful city of Lisbon, Portugal,  with colleagues and partners around the world.

WE KEEP YOU POSTED

CORONAVÍRUS OU O APOCALIPSE ESTÁVEL

Updated: Mar 24

por Vasco Santos


Se bem me lembro, Karl Kraus, um contemporâneo, dizia que «o estado em que vivemos é o verdadeiro apocalipse: o apocalipse estável».


A epidemia de coronavírus ― epidemia oportunista da estação e da televisão ― reconduz-nos a um nocturno vulgar, reenviando-nos à experiência medieval da praga, sempre ligada à noção de poluição moral, procurando-se, ontem como hoje, um objecto contrafóbico oriental alheio às comunidades atingidas.



Estamos, como num pesadelo de repetição, em 25 de Maio de 1720, quando o navio Grand Saint Antoine, vindo da Síria, atracou em Marselha. Sete tripulantes doentes ficaram de quarentena, o que não impediu o furor pulmonar e cem mil mortos.


Wilhelm Reich, psicanalista, escreveu: «existe uma energia orgânica mortal. Ela está na atmosfera». Atmosfera esta hiperbárica, na voz de Rimbaud:


«O ar e o mundo já não demandados. A vida.»


E isto muito antes dos grandes aeroportos, dos aviões, da velocidade trágica.


A tese de que partilho é a de Paulo Varela Gomes (1981), que, acerca desta matéria, propõe que se ponha de parte a biologia.


«É evidente que o centro da questão não está nos factores biológicos da Peste, mas sim nos organismos sociais humanos que a contraem, a espalham (e a protegem?). Seguidamente, é necessário não procurar na infra-estrutura das formações económicas e sociais a inserção directa da doença; a Peste é, com efeito, um fenómeno ideológico e político, isto é, pertence ao Estado e aos seus Aparelhos.»


O que é dito é que a Peste, quer na Idade Média quer no Antigo Regime, foi uma doença das formas de dominação de classe, dos aparelhos de Estado e das ideologias.


Tal como no passado, o coronavírus, um vírus afinal modesto e tímido, serve para impor a ordem, higienizar o corpo e a cidade e relativizar o contrato social.


Ele permite controlar, vigiar e punir.


O coronavírus intensifica a biopolítica e o niilismo, a máscara e a assepsia.


Trata-se de um vírus, ou melhor, de uma estratégia higienista, antipsicanalítica pela acentuada diminuição da empatia, pela distância social legitimada e pela perda da poesia do real quotidiano.


Esta política espectacular acentua a ideologia da saúde (por falência da ideia de salvação) e forclui a morte, esse tabu excelentíssimo de agora.


Desinfectamos magicamente as mãos porque somos contra a morte.


Susan Sontag, no seu magnífico ensaio «A Doença como Metáfora», afirma:


«A doença é o lado sombrio da vida, uma espécie de cidadania mais onerosa. Todas as pessoas vivas têm dupla cidadania, uma no reino da saúde e outra no reino da doença. Embora todos prefiram usar somente o bom passaporte, mais cedo ou mais tarde cada um de nós será obrigado, pelo menos por um curto período, a identificar-se como um cidadão do outro país.»



Sim. Última palavra «sim».


Com o avanço das disciplinas médicas, a vacinação, os remédios, tínhamos pensado que a Peste tinha acabado.


E mal se aquietou a ideia de dilúvio, ela voltou.


E voltou Paulo, porque «cada vez que a existência de um sistema e das suas racionalidades ideológicas cimentadoras é posta em causa, a "Peste" volta a emergir. No descontrolo, na exuberância gestual, no barulho, no furor. A Peste, a música, a dança, o álcool, a droga, a violência sem discurso de razão».


E é ainda e sempre Kraus: pois tudo o que não foi destruído pela peste sê-lo-á pela imprensa.


LAUS DEO.

4,407 views