Defesas em tempos de cólera


Citando o psicanalista David Bell na penúltima conferência da Tavistock and Portman NHS Foundation Trust, sob o título “Development of psychoanalytic theory”, a primeira dificuldade, perante a actual e brutal ameaça pandémica, será colocarmo-nos algures, e de forma equidistante, entre a paranoia e a negação.


Curiosamente, a conferência de quarta-feira, dia 11 de março, a que todos os inscritos tiveram de assistir remotamente, era dedicada a Melanie Klein e ao conceito de posição esquizo-paranoide.

A crise actual, vivida como um estado de perigo radical - não só porque representa uma ameaça mortal, mas em larga medida também porque essa ameaça é indefinida em termos de objecto, duração, técnicas de ataque e meios de defesa - é a combinação mais ameaçadora que podemos conceber: um perigo externo de contornos imprecisos, mal delineado, que dá lugar a cenários internos devastadores. Os nossos demónios serão sempre maiores e mais assustadores do que a realidade externa: dentro de nós, não têm fronteiras sólidas nem quaisquer lógica e linguagem de que nos possamos socorrer.


Nesse mesmo dia, um paciente queixou-se, numa sessão, de sentir febre e dores no corpo, perguntando-me se estaria a somatizar ou efectivamente infectado pelo vírus.

Há duas reacções possíveis face a esta ameaça. Uma rejeita a realidade e a segunda aceita-a e lida com ela. Todos flutuamos entre as duas ao longo da nossa vida. Na posição mais primitiva - a que dava título à conferência - reagimos, por um lado, com negação e omnipotência e, por outro, com pânico, exagero e desespero. A reacção omnipotente procura evitar a dor e a angústia através da sobrevalorização cega das nossas capacidades. Vem, normalmente, acompanhada de desprezo e raiva em relação às regras, negação da magnitude do momento e recusa em obedecer a instruções. A reacção de pânico activa os nossos terror infantil e profundo desespero, como se gritássemos: Salvem-me deste sofrimento já!


Um dia depois, quando já era obrigatório, em vários países da Europa, o isolamento social, vi imagens de grupos de pessoas a beber nas ruas e em festa, sem qualquer preocupação em respeitar a distância mínima recomendada, lado a lado com imagens de supermercados de prateleiras vazias.


Escrevo hoje, no meu 11º dia de isolamento, certa da passagem de toda a comunidade a uma posição mais evoluída, a que Klein chamou posição depressiva e que consiste na aceitação da realidade. A partir desta posição, reconhecemos os perigos externos e a nossa vulnerabilidade perante os mesmos mas, simultaneamente, conseguimos ancorar-nos numa agência interna capaz de lidar com o perigo. Esta perspectiva, mais sóbria, apesar de acompanhada de angústia e sofrimento, faz-se da aceitação rendida de que só podemos fazer e faremos o nosso melhor.


Fotografia do foto-jornalista Miguel Manso, publicada no dia 13 de março de 2020 no Instagram

ABOUT US

The Free Association is a non-profit organization moved by the desire to learn. We create innovative opportunities of continuous learning in the field of psychodynamic psychotherapy and psychoanalysis.

LOCALIZATION

We are based in the beautiful city of Lisbon, Portugal,  with colleagues and partners around the world.

WE KEEP YOU POSTED