O Mundo do Vírus

Por Tiago Pires Marques



[...] Aqui não ficou rasto de nenhum monumento de superstição. A moral e a língua reduzidas à sua expressão mais simples. Estes milhões de pessoas que não têm qualquer necessidade de se conhecerem, levam com tal paralelismo a educação, a profissão e a velhice, que o seu tempo de vida deve ser muitas vezes inferior àquele que uma estatística louca encontrou para os povos do continente. Tal como, desde a minha janela, vejo novos fantasmas deslizando pelo espesso e contínuo fumo de carvão , - nossa sombra campestre, nossa noite de estio! – novas Eríneas diante do cottage que é toda a minha pátria e todo o afecto, já que tudo aqui é igual a si-mesmo , - uma Morte sem lágrimas, nossa activa filha e criada, um Amor desesperado e um lindo Crime ganindo na lama da rua. Jean-Arthur Rimbaud, “Cidade”

(trad. de Mário de Cesariny)

O infame William Burroughs propôs, em tempos, a seguinte teoria: a linguagem, que considerava a mais mortífera das qualidades humanas, teria surgido de uma mutação genética, produzida pela acção de um vírus em macacos. O tipo de inteligência biológica própria do vírus, a saber, a sua capacidade de replicação adaptativa, teria, assim, ficado inscrita no funcionamento da linguagem. Dependente dos hospedeiros para viver e replicar-se, o vírus visaria o ponto de equilíbrio entre duas orientações opostas, a similitude na réplica e a simbiose com um organismo outro.


Maman de Louise Bourgeois

A capacidade de este coronavírus existir, em estado de latência, em superfícies inorgânicas até encontrar um hospedeiro humano é exemplar da capacidade viral de fazer do mundo uma homogénea superfície de propagação. A lógica do combate à pandemia é, como se tem visto, a de provocar interrupções na superfície e evitar o encontro do vírus com o humano (isolamento social, lavagem das mãos, máscaras). Combatemos, pois, o vírus nos seus termos e não parece haver, por agora, outra forma de proceder. Porém, a contrapartida disto é a clara intensificação dos elementos virais da linguagem: o seu funcionamento replicativo parece transformar o nosso mundo numa só superfície de propagação e de controlo. Neste processo de adaptação mútua entre vírus e humanidade, uma nova língua colectiva exclui formas ancestrais de experiência – a presença própria da voz, ou a sensorialidade da pele e do olfacto. Observa-se também uma intensa disciplina do psiquismo: a sentimentalidade pensada para circular na forma de meme viral; o elogio produtivo do erotismo à distância; a injunção de não pensar o vírus para além do pragmatismo que deve convocar. A mobilização guerreira para a literalidade do combate e para a sentimentalidade abstracta traz consigo o obscurecimento das possibilidades não pragmáticas do pensamento, tais como o pensar errante, o sonho e a invenção poética. Numa palavra, elimina das actividades de pensar e de sentir as suas qualidades significantes, preênseis, não virais; e de viver e morrer extrai a experiência que não se adapta à lógica da réplica e do símile. As estatísticas diárias de mortos são já a figura linguística de uma morte replicada, da produção de mortos iguais; figura que tem o seu equivalente imagético nas dezenas de caixões alinhados nos pavilhões de Espanha e Itália, para os quais não há lágrimas possíveis.


Brooklyn Bridge Showing Painters on Suspenders de Eugene de Salignac

No limite, a experiência colectiva inteiramente colonizada pela lógica viral é a das perversões pragmatistas que vemos surgir agora a cada dia que passa – o presidente das Filipinas que anuncia a possibilidade de abate dos que não se sujeitarem ao confinamento (mate-se o hospedeiro!); a morte sem lágrimas que já se vai reservando aos velhos...


ABOUT US

The Free Association is a non-profit organization moved by the desire to learn. We create innovative opportunities of continuous learning in the field of psychodynamic psychotherapy and psychoanalysis.

LOCALIZATION

We are based in the beautiful city of Lisbon, Portugal,  with colleagues and partners around the world.

WE KEEP YOU POSTED